Moderadora – Luísa Cerdeira, IEUL
– Vice-Presidente da CNIPE, Carlos Patrão
– Representante do SNESup, João Leitão
– Presidente do SIPE, Júlia Azevedo
– Secretário-geral da FNE, João Dias da Silva
 
Trecho da intervenção do representante da CNIPE:

Antes demais afirmar que a CNIPE acha que o trabalho desenvolvido nas nossas escolas e universidades é de boa qualidade e fruto disso os nossos jovens estão em  condições de competir no mercado de trabalho com os seus colegas da união europeia.
Contudo não reconhecer que o mundo está a mudar rapidamente e ignorar as novas necessidades do mercado de trabalho e das nossas comunidades pode por em perigo o conquistado em tão pouco tempo.

Não sabemos que escola teremos em 2020 mas gostaríamos que fosse uma escola mais aberta ao diálogo e participado por toda a comunidade.
A escola devia preparar e antecipar o futuro!
A escola deve preparar os alunos para a vida!
(…)

Não existe uma escola forte e de qualidade sem uma Associação de pais envolvida e com elevada representatividade.
Necessitamos todos uns dos outros e é esse o caminho que temos de trilhar em conjunto se quisermos voltar a ganhar a capacidade de iniciativa e de inovação.
Vivemos os últimos anos na obsessão dos Rankings, das diferenças entre escola pública e privada, entre a turma A e a turma B qual o aluno com melhores notas (sem interessar todas as outras variáveis) valorizando em excesso a nota em detrimento dos valores.
Provavelmente deveriam ter estado a discutir, como fazer as crianças e jovens gostarem de ir á escola e de lá estarem.
(…)
 
 
 
A Escola deve-se preparar para a criança e não a criança para a escola!
(…)
 
 
É necessária uma revisão dos conteúdos das disciplinas e das metas curriculares.
À que alterar os métodos de avaliação de alunos, professores e das escolas.
Temos que caminhar para uma escola de valores em vez de notas.
Enfim tornar a escola espaço de inclusão de todos, sem deixarmos ninguém para trás