A CNIPE lamenta toda esta tragédia e solidariza-se com todos os que estão a sofrer pela mesma!

Agradece ainda a decisão tomada pela Tutela no sentido de adiar a realização das provas de exames dos alunos das escolas dos concelhos vítimas desta catástrofe!
 
A Direcção da CNIPE

 

O Jornal de Notícias, na sua edição de hoje, 15/06/2017, publica uma matéria sobre a qualidade das refeições nas cantinas escolares.

Não nos podemos esquecer que a CNIPE em novembro do ano passado enviou ofício ao Sr. Ministro da Educação, alertando para situações preocupantes que, ficaram sem resposta por parte da tutela.

Artigo completo, aqui

A 8ª Comissão Parlamentar, através de um grupo de trabalho, está a elaborar uma relatório sobre a Transferência de Competências do Ministério da Educação para as Câmara Municipais.

A CNIPE esteve ontem, dia 14 de junho, a ser ouvida sobre esta matéria.

Podem ver a posição da CNIPE, aqui

A CNIPE tomou conhecimento do mail emanado pelos serviços da DGEstE, sobre "SNIPI - Rede de Docentes 2017/18", onde se davam orientações aos Diretores dos Agrupamentos de como se deviam ocupar as referidas vagas.
O seu conteúdo gerou um grande alarmismo junto da comunidade de educadores e pais de crianças apoiadas pela IP, pelo que a CNIPE interveio junto da DGEstE, tendo obtido o seguinte esclarecimento:
 
"Esclarece-se o seguinte:
1. O Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância (SNIPI) é desenvolvido através da atuação coordenada dos Ministérios do Trabalho e da Solidariedade Social, da Saúde e da Educação, com envolvimento das famílias e da comunidade.
2. No presente ano letivo há mais de 500 docentes que integram estas equipas. Estes 500 docentes são na sua maioria colocados em mobilidade estatutária e assim continuará a ser.
3. Apenas uma pequena parte das colocações dos SNIPI é realizada mediante a distribuição do serviço letivo e só sobre estes versa a orientação da DGESTE.
4. Esta distribuição de serviço para os docentes afetos ao SNIPI já estava prevista no despacho de organização do ano letivo e obedece aos diplomas legais que regulam o SNIPI, dando preferência aos docentes com formação em educação especial, enquadrados sempre que possível no nível de ensino em causa."
 
A intervenção da CNIPE foi essencial e de primordial importância na obtenção do citado esclarecimento, emitido pelo Dr. José Couto.
 

 
A direção da CNIPE reuniu hoje (29/04/2017) em Coimbra, no Centro Escolar da Quinta das Flores, onde foram discutidos diversos assuntos que preocupam os pais, nomeadamente a realização da prova de aferição de expressoes. A CNIPE conclui sobre esta prova o seguinte:
 
a) Trata-de uma prova cheia de imprecisões, porque afinal muitos alunos vão ter que se deslocar para outra escola para realizar a mesma;
b) Muitos dos nossos filhos e educandos não tiveram durante o ano aulas de exercícios físicos.
b) Os nossos filhos e educandos já conhecem o enunciado;
c) Grande parte das escolas não possuem os equipamentos para realizar a prova. Os professores vão ajudar os nossos filhos a ultrapassarem estas e outras dificuldades, durante a realização da mesma.
d) Tudo vai ser facilitado e os resultados só podem vir a ser positivos. Escola, alunos e pais todos vão ficar satisfeitos!
 
Causas para considerar esta prova como uma "brincadeira" ou prova cheia de "imprecisões"!